Aborda a obra de Rimbaud como precursor da modernidade. Sobressaem a análise do fenômeno “Rimbaud pop”, sua duradoura influência sobre vários monstros sagrados da cultura popular norte-americana, como W. Burroughs, Jim Morrison, Patti Smith e Kathy Acker. Notável também a análise de Rimbaud como poeta‑errante por excelência, marcado pela walk writing, e também a incursão na obra de João Gilberto Noll.

Livro
Autor Mauricio Salles Vasconcelos
Páginas 320
Tradutor

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.