Os cavaleiros da Távola Redonda são uma das sagas medievais mais conhecidas da literatura, e nunca deixaram de renovar, ao longo dos séculos, o fascínio por seus personagens. Personificando a mais alta patente da cavalaria na corte do rei Artur, no início do século XIII, tinham como característica a lealdade e a obstinação em prol da segurança e do bem-estar da realeza que protegiam. Um deles, no entanto, brilhava ainda mais por suas inúmeras virtudes: o personagem que dá título ao livro, Ivã, o Cavaleiro do Leão. Sua personalidade guerreira sempre o impele às mais duras batalhas. Por ser um cavaleiro tão especial, ele não combate com uma arma qualquer, mas sim com a Espada Eterna, que não é nem grande nem pequena, nem leve nem pesada — mas exatamente como deve ser, pois o melhor de todos cavaleiros só pode empunhar a melhor de todas as espadas. Assim, nem mesmo um dragão, com seu hálito de fel, fogo e veneno, é capaz de intimidar Ivã: um único golpe basta ao poderoso cavaleiro para abater a horripilante besta-fera. Mas um verdadeiro cavaleiro não é aquele que apenas sabe lutar: por ter tido a gentileza de servir vinho à dama Lunete numa ocasião em que todos os demais a maltrataram por ela ter vencido um homem num jogo de xadrez — um acinte para os modos da época — Ivã logo seria recompensado por isso. Ela o retribui quando ele se vê em maus lençóis depois de ter matado, ainda que em legítima defesa, o senhor do castelo do reino Pertinho. Lunete dá a Ivã um anel mágico, capaz de tornar invisível a pessoa que o segurar nas mãos. Assim, sem ser visto dentro do próprio castelo do homem que matou, Ivã conhece Laudine, a viúva, e fica atônito diante de tão hipnótica beleza. Ele se apaixona imediatamente. Como soberano do reino Pertinho, Ivã poderia viver dias tranquilos e sem sobressaltos na companhia da amada Laudine. Mas a missão de um cavaleiro é combater, e assim ele embarca numa cruzada que inclui uma épica batalha contra um gigante de força descomunal e tido como invencível, que arranca árvores como os homens arrancam flores. Nosso heróico cavaleiro ainda trava uma insólita amizade com um leão, sem desconfiar que a maior das aventuras ainda o espera... É assim, ao tratar de valores como honra e bravura, que essa linda história medieval conserva seu encanto, cativando leitores de todas as idades. O livro é uma adaptação do romance homônimo de Hartmann von Aue, poeta alemão do século XIII, que, por sua vez, também traduzira livremente sua obra a partir do texto original de Chrétien de Troyes (1135-1191), trovador francês tido como um dos precursores dos romances de cavalaria.


Livro
Autor Felicitas Hoppe
Páginas 200
Tradutor Renata Mundt

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.