Em seu quarto romance publicado no Brasil pela Estação Liberdade, o premiado escritor assina um relato incandescente que nos faz refletir sobre a justiça e a moral, a incoerência do conceito pré-estabelecido sobre o crime e o poder modificador da culpa. Afeganistão, anos 1990. O jovem desempregado Rassul planeja um assassinato nos moldes daquele cometido por Raskólnikov, herói de Dostoiévski em Crime e castigo. O plano de eliminar a velha desprezível que humilha a namorada dele, entretanto, não sai como o previsto. Rassul acredita que o seu ato de exterminar a escória da sociedade é exemplar, mas como fazer com que esse assassinato ganhe uma dimensão única se ele passa despercebido? Como atingir o patamar dos homens de grandes feitos e entrar para a história se nem o próprio autor do crime tem certeza de ter matado nana Alia? Como dar um sentido a seu crime e, mais do que isso, à sua própria vida? Em meio às bombas e mísseis da guerra civil, o leitor acompanha as inquietações e o cotidiano do conturbado personagem, permeado por tragadas de haxixe e delírios sobre uma mulher de tchadari azul. Acossado por seu crime, Rassul sai ao encalço de um castigo que parece não existir para ele sob essas latitudes. A narrativa evoca constantemente o romance, sempre atual, de Dostoiévski, tanto na trama quanto nas questões metafísicas abordadas na escrita despojada de Atiq Rahimi, ao mesmo tempo que funde as alucinações de Rassul à dura realidade afegã, trazendo à tona o caos de sua terra natal.


Livro
Autor Atiq Rahimi
Páginas 280
Tradutor Marcos Flamínio Peres

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.