Na continuação da série, que já se convencionou tratar como sua autobiografia, o renomado sociólogo francês expõe, numa prosa crua, entrecortada e iconoclasta, sua visão do que resta a ver no mundo. Telegramas de um mundo onde tantas coisas se decompõem e outras recobram um inesperado valor.


Livro
Páginas 168
Sobre o autor (a) Jean Baudrillard
Tradutor Rosângela V. Tibúrcio

Escreva um comentário

Nota: O HTML não é traduzido!
Ruim           Bom