O voto direto e universal, que celebra a igualdade política dos homens, foi concretizado pela primeira vez em 1848. Considerado hoje um símbolo da democracia, é surpreendente constatar a indiferença que cercou o seu aniversário de 150 anos e a frágil atenção que se dá às formas de apropriação de suas práticas e às condições que as tornaram (e tornam) possíveis. Este livro reúne uma série de trabalhos que discutem como aconteceu, em vários países, a imposição e o ajuste desta prática como princípio de legitimidade da dominação política.