• Este livro traz uma introdução à vida e à obra de Michel de Montaigne (1533–1592), jurista, político e escritor francês. O humanismo preconizado por esse grande homem da Renascença consiste em limitar o desumano sob a forma da rejeição da tortura, da crueldade e da justiça leviana; humanismo que, em vez dos ideais abstratos, advoga em favor da expressão das preocupações do ser humano em situação concreta.
  • Montaigne é célebre por ter sido o criador do ensaio pessoal como gênero de escrita. A proposta da criação deste estilo que lhe daria fama por toda a posteridade era a de abordar quaisquer assuntos que considerasse relevantes, sem uma preocupação formal ou estética, e sem mirar um tipo específico de leitor. Ao contrário: interessava a Montaigne oferecer seu ponto de vista pessoal, registrando os assuntos à maneira de um observador arguto. Seus Ensaios, publicados em três volumes, acabaram por apresentar uma linguagem refinada, de uma infinita riqueza, tendo seduzido um amplo escopo de leitores exigentes: Descartes, Pascal, Rousseau, Nietzsche, Lévi-Strauss, Michel Butor.
  • Filósofo da comparação, da descrição e da sugestão, Montaigne concentrou sua atenção na história e na poesia, nas guerras civis e religiosas, na tensão entre os impérios, assim como nas opacidades da consciência ou nas digressões da mente. Na busca de uma nova linguagem, ele tomou o partido da arte de formular a dúvida e de manter um recuo crítico diante de qualquer forma de dogmatismo; nesse aspecto, sua atualidade permanece intacta.