Analisando de forma interdisciplinar a história da habitação popular no país no período pré-1964, Origens da habitação social no Brasil constitui um extenso estudo das origens do nosso crescimento urbano, abordado em seus aspectos arquitetônico, urbanístico, sociológico, de história econômica e da arquitetura.
A pesquisa original de Nabil Bonduki para a publicação, desenvolvida ao longo de dezoito anos, somou-se à sua experiência política como gestor dos programas habitacionais de São Paulo na gestão de Luiza Erundina. Com o crescimento dos estudos nas áreas de história do urbanismo e da cidade, a análise proposta em Origens se tornou um marco na pesquisa brasileira nas áreas de urbanismo e arquitetura social.
Nesta 7ª edição, o livro traz um prefácio inédito do autor,  cobrindo as mudanças ocorridas de 1995 até os dias de hoje. O aumento exponencial do número de escolas de arquitetura, o apoio a pesquisas científicas na área e a entrada da busca pelo direito à habitação na agenda dos arquitetos e urbanistas foram algumas delas. Neste prefácio, Bonduki faz uma avaliação também das políticas públicas para a habitação social nos anos recentes.
Centrando-se nas intervenções promovidas por Vargas – em meio às influências cruzadas da social-democracia europeia e do fascismo – a obra, com dezenas de fotografias dos locais analisados, busca identificar os primórdios da transformação da habitação numa questão social: a produção rentista do início do século, com suas vilas operárias e cortiços; o debate sobre a intervenção estatal nos anos 1930 e 1940; os primeiros conjuntos residenciais públicos, resgatando uma produção arquitetônica de grande qualidade e desaparecida da historiografia; a Lei do Inquilinato e a crise de habitação do pós-guerra, num quadro de boom imobiliário e de verticalização; a consolidação da periferia, frente à inexistência de outras alternativas, com a generalização da casa própria e da urbanização precária.
O livro mostra os modos pelos quais medidas populistas, tais como o controle dos aluguéis, a produção de habitação pelo setor público e a difusão da pequena propriedade através da venda de lotes em prestação, geraram uma redução do custo da moradia (e, consequentemente, dos salários) e desestimularam o investimento privado em habitação, numa estratégia que tinha como pano de fundo o desenvolvimento industrial com base no capital nacional.
Desenvolvido em um período de grandes transformações nas questões de urbanismo e habitação no país, Origens da habitação social resgata e analisa a experiência histórica do Brasil na área, dialogando com as aspirações contemporâneas dos arquitetos brasileiros.
O livro recebeu o Primeiro Prêmio Brasileiro de Política e Planejamento Urbano e Regional – Categoria Livro concedido pela ANPUR – Associação Nacional de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional.