Ler o arquiteto através de suas próprias palavras, revelando seu processo de projeto, é a mensagem do português Álvaro Siza no segundo título da coleção Estúdio Aberto, Imaginar a evidência. Tão distante da espetacularização dos argumentos de muitas das arquiteturas atuais, a construção de um raciocínio e de um desenho para a arquitetura é disciplinar e mediada por aproximações sucessivas ao contexto que envolve a ação projetual.

 Responsável pelos prédios da Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre, e da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, Álvaro Siza é um arquiteto da atenção à pequena escala, aos detalhes, às particularidades. Dialoga com a experiência cotidiana que permite a compreensão de uma dinâmica que a arquitetura pode abrigar, mas também valoriza as negociações necessárias à realização de seu trabalho. Escreve sobre a gênese criativa dos projetos e o contexto que envolve decisões de caráter pragmático.

Neste livro — um exemplo não só para os arquitetos —, a construção do texto e as circunstâncias que envolvem cada projeto atentam à inseparabilidade entre a vida e o exercício da profissão.

A coleção Estúdio Aberto pretende compor um cenário original da arquitetura contemporânea através do testemunho direto e apaixonado de seus protagonistas. Se normalmente os conhecemos a partir de suas obras construídas ou desenhadas, nesta coleção é através da palavra escrita que os maiores arquitetos do presente e do passado se exprimem, refletindo sobre cidade, arquitetura e design. A coleção é dirigida por Maria Isabel Villac e Angel Bojadsen.