Nesta precoce análise das mazelas do matrimônio enquanto cerceamento da mulher - “Casada, ela deixa de se pertencer, é a rainha e a escrava do lar” -, Balzac retrata o casamento como pilar da sociedade burguesa (agora pós-revolucionária, “o encanto do amor desapareceu em 1789”) na França. Embora intrinsecamente conservador – talvez por isso mesmo –, a imagem que o autor traz da situação de mulheres curvadas sob o peso de suas obrigações sociais e legais é digna de interesse social, histórico e psicológico. Ideologicamente, sabemos que Balzac respaldava o casamento, e esta obra tinha a função de um libelo contra a “leviandade da mulher”, dando origem a uma Julie remoída por abissais sentimentos de desejo e culpa, mas o próprio texto e os personagens se encarregam de traí-lo e fica-nos uma forte impressão de que Balzac o denuncia nas entrelinhas em suas estruturas mais fundamentais. Assim, são deliciosas, se não memoráveis, e um tanto inusitadas para a época, as páginas em que Balzac retrata com derrisão o homem casado, tome-se o marido de Julie, o insípido Victor d’Aiglemont, que parece não discernir com muita clareza entre seu cavalo e a mulher. O que restou desta obra, para além de algumas falhas de construção (por exemplo, Balzac usa condessa por marquesa, ao descrever a tia de Julie, pois com a Restauração a marquesa recuperaria seu título, mas isso não fica suficientemente claro para o leitor e aparece como lapso do autor - propositadamente não foi corrigido nesta tradução), são trechos de um belo lirismo e forte inspiração sobre o amadurecimento da mulher (Balzac parece ao mesmo tempo lamentá-lo...), justamente sua passagem para a idade balzaquiana e para uma outra beleza, a da maturidade, para cuja construção o casamento seria um mal necessário: “A fisionomia da mulher só começa aos trinta anos”. Vemos aqui um Balzac “em construção”, ora tecendo uma reveladora “análise psicológica”, ora se inclinando para o “folhetim desvairado”, e de uma riqueza notável ao abordar pontos essenciais de sua obra, como nota em seu prefácio Philippe Berthier, um dos mais destacados estudiosos de Balzac na atualidade. Cerca de meio século antes, Goethe já nos descrevia com maestria, em Os sofrimentos do jovem Werther, as conseqüências trágicas de uma paixão desenfreada que a sociedade, os costumes e as leis proibiam. O século XIX encarregou-se de amainar os excessos românticos dos personagens, a Revolução Francesa deixara suas marcas (é interessante observar a presença de Napoleão em cada um destes autores) e o que não se consumia em Werther já assume contornos algo mais pragmáticos, ou... modernos, em A mulher de trinta anos. (Angel Bojadsen)