1913 – Antes da Tempestade

Nosso diretor Angel Bojadsen comenta sobre a obra 1913 – Antes da tempestade

Queria dar uns toques sobre o que a mais do que influente revista alemã, Der Spiegel, comentou sobre o 1913 – Antes da tempestade na ocasião de seu lançamento na Alemanha. Foram nada menos de 4 páginas, um fenômeno. O artigo levou a assinatura do conhecido crítico Matthias Matussek.
 
Abre dizendo que se trata de um “retrato de tempos apocalípticos. Principalmente os artistas tinham percepção da ruptura civilizatória que estava por vir”.
 
“[O ano de] 1913 está tão perto da borda do precipício que retrospectivamente podemos estranhar. Mas tomamos o ano de qualquer forma como jogo frívolo a caminho da catástrofe descomunal da Primeira Guerra. Apenas assim ele (o ano) assume uma honra histórica. [...] Como podemos vivenciar o ano de 1913 sem pensar na carnificina industrial de 1914, as nuvens de gases tóxicos, os milhões de caídos? Como podemos imaginar os despreocupados Rilke e Mann e Hofmannsthal, os protagonistas da época, sem sacudir a cabeça, sem querer avisá-los para que se abriguem?”

Mas isso é apenas a criação do clima da longa resenha. O que se realça é “a brilhante contraposição de citações originais e de comentários pessoais com o uso de lentes apuradas”. “Illies não é apenas o cara da montagem, mas também o diretor de circo desse espetáculo.” Que inclui desde o desaparecimento da Mona Lisa às desesperadas cartas de Kafka, que não sabe lidar com suas dores de amor e muito menos consigo próprio, as internações de Camille Claudel e as extremas rivalidades entre gente como Freud e Jung e Thomas Mann e o crítico que o queria destruir (por questão de mulher, evidente). 
 
“Em certos momentos Illies parece se deixar contagiar pela frivolidade dessas horas de decadência europeia de 1913 – mas isso definitivamente torna seu livro tão atraente à leitura.”
 
Portanto, convidamos enfaticamente ao mergulho nesse perspicaz “cabaré grotesco” em doze meses-capítulos que demandaram três anos de pesquisas.
 
Angel Bojadsen
Diretor editorial

Comentários

Escreva um comentário