A fórmula preferida do Professor, de Yoko Ogawa

Após o sucesso do suspense O Museu do Silêncio, a Estação Liberdade traz para o leitor brasileiro A fórmula preferida do Professor. O romance foi publicado em 2003 no Japão com um estouro: um milhão de exemplares vendidos nos primeiros dois meses. Além disso, o romance foi o destaque da temporada de premiações: levou o Hon’ya Taisho, prêmio em que os livreiros e funcionários de livrarias escolhem seu título predileto do ano, e também o prêmio do jornal diário Yomiuri, que há décadas seleciona anualmente o melhor da produção literária japonesa.

Na obra de Yoko Ogawa, o Professor é um matemático brilhante que, por conta de um problema que danificou sua memória recente, não pode levar uma vida normal. Morando na edícula da casa de sua cunhada, que o sustenta, ele passa os dias recluso. As empregadas domésticas contratadas para tentar facilitar a vida do Professor nunca conseguem agradá-lo.
Tudo muda com a contratação da nova empregada, a narradora do livro. Quando o Professor descobre que ela tem um filho de dez anos, insiste para conhecer o pequeno. Aos poucos, da convivência e das aventuras do trio surge uma inusitada amizade, pontuada pela sabedoria do Professor e seu domínio quase mágico da matemática.

Yoko Ogawa coloca no centro da história o afeto, as conexões humanas e a paixão pelo conhecimento. A fórmula preferida do Professor é um romance que cativará leitores de todos os gostos: poucas vezes se trouxeram para a literatura questões de matemática de forma tão agradável e convincente, o que também rendeu à autora o reconhecimento e a estima da comunidade matemática pelo mundo.


Cena da adaptação de A fórmula preferida do Professor nos cinemas 


Após o notável sucesso no Japão, o livro ganhou uma versão cinematográfica (em 2006, dirigida por Takashi Koizumi, ex-assistente de Akira Kurosawa), além de adaptações para televisão e quadrinhos.


Leia em primeira mão um trecho de A fórmula preferida do Professor (tradução do japonês de Shintaro Hayashi)

Repercussão

 “Altamente original, infinitamente sedutor. E sempre muito tocante.”
Paul Auster

“Yoko Ogawa, com seu estilo claro e elegante, nos envolve em histórias aparentemente simples, mas capazes de revelar o lado mais profundo da alma humana."
Donatella Natili, professora de literatura e cultura japonesa na UnB
 
“Ogawa cria com delicadeza uma elegante e sedutora equação para o sucesso, levando o leitor a refletir sobre perda, memória e a magia da matemática.”
Kris Kosaka, The Japan Times 
 

Sobre a autora

Yoko Ogawa, nascida em 1962, é natural de Okayama, capital da província de mesmo nome no oeste do Japão. Ela já ganhou praticamente todas as honrarias literárias de seu país natal (prêmios Kaien, Hon'ya Taisho, Akutagawa, Yomiuri, Izumi Kyoka, Tanizaki e mais), bem como louros internacionais para suas obras traduzidas. Autora de mais de vinte livros de ficção e não ficção, Yoko Ogawa é atualmente uma das autoras japonesas mais lidas fora de seu país, publicada em dezenas de países em todos os continentes. 


Comentários

Escreva um comentário