Polícia da memória, A
R$65,00
76
ISBN: 978-65-86068-14-6

-
+

A polícia da memória
  

Autor: Yoko Ogawa 
Tradução do japonês: Andrei Cunha 
Dimensões do produto: 14x21cm
Número de páginas: 328
ISBN: 978-65-86068-14-6


Livreiros e distribuidores

Para orçamentos e pedidos, nos encaminhe um e-mail: vendas@estacaoliberdade.com.br



Sobre a obra


A polícia da memória, publicado originalmente em 1994, chega ao Brasil pela Estação Liberdade. O livro, finalista do International Booke Prize 2020, e do National Book Awards 2019, foi traduzido em diversos idiomas e, mais uma vez, marca o talento da escritora contemporânea Yoko Ogawa.

Em narrativa melancólica, o leitor é conduzido ao submundo das memórias perdidas. Em tom de ficção cientifica, uma ilha governada por policiais que buscam vestígios de lembranças. 

Na ilha, os objetos, casas, e famílias inteiras somem sem deixar vestígios. Sem que as pessoas sequer se atentem, e notem os desaparecimentos, pois as lembranças furtivamente também já se foram. Na trama, uma escritora tenta manter intactos resquícios de histórias, de algo que possa permanecer. Não é fácil, já que tudo ao redor desaparece, e ela não pode contar sequer com a própria memória. 

O leitor é convidado, instintivamente, a acessar o seu próprio arcabouço de lembranças, e percorre uma jornada de memórias que gostaria de preservar. Acessar as memórias é acessar, também, o que criamos e o que se mistura ao real. 

Ler A polícia da memória é embarcar no mais profundo do ser. Há uma pergunta que circunda toda a narrativa: Se pudesse, o que você preservaria intacto, e não perderia da memória? 

 OBRA DISPONÍVEL TAMBÉM EM E-BOOK

 Comprar pela Amazon

 Comprar pela Apple iBooks Store

 Comprar pelo Google Play

 Comprar pelo Kobo





Lembramos que toda compra nos reforça. Nesses tempos difíceis para o comércio do livro agradecemos o apoio a nosso catálogo e à bibliodiversidade.

 




Sobre a autora

YOKO OGAWA nasceu em Okayama, Japão, em 1962. Sua vocação leitora foi despertada precocemente por clássicos infantis, graças a um sistema de assinatura de livros de que a família dispunha. Gosta de citar O diário de Anne Frank como uma referência decisiva para perceber a escrita como via possível e necessária de autoexpressão. Estudou escrita criativa e publicou diversos livros, entre ficção e não ficção. A autora vive atualmente em Ashiya, Hyogo — nas proximidades de Kyoto.
Arrebatou todos os prêmios referenciais do meio literário japonês, pelas obras Diário da gravidez, A fórmula preferida do Professor, O enterro de Brahman, e por A marcha de Mina.
Pela Estação Liberdade, a autora publicou O museu do silêncio (2016), e A fórmula preferida do Professor (2017), obra que foi vertida para o cinema, pelo diretor Takashi Koizumi, ex-assistente de Akira Kurosawa.



Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.