A partir de questões suscitadas pela instalação de George W. Bush na presidência dos Estados Unidos, Canfora traz à discussão um ponto central na sociedade contemporânea: até que ponto os discursos sobre a democracia propagandeados pelas grandes potências mundiais fazem jus a uma prática efetivamente democrática? Citando de Sócrates a Gramsci, de Thomas Mann a Eric Hobsbawm, o autor tece uma profunda crítica ao discurso democrático praticado hoje, tomando como base os referenciais clássicos gregos.


 LEIA UM TRECHO

Livro
Formato 23x16x4cm
ISBN 978-85-7448-118-0
Páginas 120
Sobre o autor (a) Luciano Canfora nasceu em Bari (Itália) em 1942. É professor de filologia clássica na Universidade de Bari, onde dirige o Departamento de Ciências da Antigüidade. Suas pesquisas, principalmente sobre Demóstenes e Tucídides, renovaram aspectos fundamentais das letras gregas. Publicou numerosas obras, constando entre as mais recentes Togliatti e i dilemmidella politica (1989), A biblioteca desaparecida: histórias da biblioteca de Alexandria (Cia. das Letras, 1989), Tucidide e l’Impero (1991), Le viedel classicismo 1 (1991), Vita diLucrezio (1993), Storia de lla letteratura greca (1994), Il destino dei testi (1995), Ellenismo (1995), Teorie e tecnica de lla storiografia classica (1996), Le viedel classicismo 2. Classicismo e libertà (1997), Il misteroTucidide (1999). Também é diretor da revista Quadernidi Storia.
Tradutor Valéria Pereira da Silva

Escreva um comentário

Nota: O HTML não é traduzido!
Ruim           Bom