SOBRE A OBRA

Na ocasião de seu lançamento, (1975 na França), Roland Barthes por Roland Barthes acabou sendo definido pelo que não era: nem uma autobiografia e nem um livro de “confissões” (embora com muitos elementos de ambos). Afinal, a primeira frase do livro avisa: “Tudo isto deve ser considerado como dito por um personagem de romance”.
Compondo o livro por fragmentos, Barthes se deixa ser levado apenas por sua imaginação e pelo gosto da escrita. Surgem evocações de sua infância e juventude, reflexões sobre suas experiências de vida, sobre seus autores e leituras preferidas, sobre seu trabalho teórico, sobre utopias, sobre ficção e teatro, sobre a linguagem, as palavras, a ideologia, a sexualidade, entre vários outros temas.

Acompanhando fotografias do acervo pessoal do autor, bem como reproduções de suas ilustrações e manuscritos, este retrato em múltiplas dimensões de Barthes por Barthes ajuda a esclarecer o projeto de um dos mais criativos e interessantes intelectuais de nosso tempo.


LEIA UM TRECHO DA OBRA 


SOBRE O AUTOR

Roland Barthes nasceu em 1915 em Cherbourg, e se formou em literatura clássica e filosofia pela Sorbonne. Considerado um dos mais importantes críticos literários, Barthes fez a crítica das atitudes sociais e cotidianas e trabalhou em uma ciência geral dos signos. Com sua afirmação de que a unidade do texto não se encontra na origem, mas em sua destinação, ele defendeu o leitor e o crítico como criadores, junto com o autor, do sentido do texto. Morreu em 1980, atropelado em uma rua de Paris. Entre seus vários livros estão O Grau Zero da Escrita (1953), Mitologias (1957), Elementos de Semiologia (1964), Crítica e Verdade (1966), O Prazer do Texto (1973), Fragmentos de Um Discurso Amoroso (1977) e A câmara clara (1980).

Livro
Tradutor Leyla Perrone-Moisés
Formato 21x14x1cm
Páginas 216
Peso 0.294 Kg
ISBN 978-85-7448-075-6

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.