Kawabata-Mishima Correspondência 1945-1970

Yasunari Kawabata e Yukio Mishima 
Yasunari Kawabata, Nobel de Literatura em 1968, é um dos responsáveis pela universalização da literatura japonesa moderna. O enfant terrible Yukio Mishima, um dos mais exuberantes e profundos artistas do século XX, também De fato, a produção literária de Kawabata e de Mishima, seus ecos e influências (diretos ou não), são responsáveis pela formação de certo imaginário ocidental sobre o Japão: ritual, erotismo, elegância; a neve – Kawabata – e o sangue – Mishima.
O volume KAWABATA-MISHIMA CORRESPONDÊNCIA 1945-1970 reúne as cartas trocadas entre os dois, desde que Mishima (que ainda assinava com o nome de batismo Kimitake Hiraoka) se aproxima pela primeira vez do “mestre” Kawabata, já uma figura influente do meio literário japonês. O leitor segue então o diálogo que vai se desenrolando: a partir de assuntos cotidianos, comentários sobre a cultura japonesa, reflexões artísticas e muitos pedidos de Mishima para que Kawabata “não deixe de cuidar de sua saúde”, a tímida admiração mútua se torna uma amizade franca e intensa. 
As mensagens permitem acompanhar os acontecimentos históricos – como a ocupação americana do Japão após a Segunda Guerra ou a Olimpíada de 1964 em Tóquio – bem como a ascensão dos dois ao patamar de estrelas globais. Aos poucos, quando ambos percebem suas iguais chances de entrar para a história como o primeiro autor japonês a ganhar o Nobel, o carinho se transforma em rivalidade e competição. O desfecho é conhecido: Kawabata leva o prêmio, com a ajuda de uma carta de Mishima, que nunca perdoou ao mestre pela conquista e nem a si mesmo pela abnegação. Mishima termina sua tetralogia, a obra de sua vida, e parte, em 1970, para realizar, fora da literatura, suas “ambições fatalistas”. Kawabata produz cada vez menos até sua morte em 1972. 
Deixando de lado a deferência e abrindo as cortinas da intimidade de dois gênios artísticos, KAWABATA-MISHIMA CORRESPONDÊNCIA 1945-1970 é uma oportunidade de conhecer, por meio de uma longa relação intelectual e afetiva, o lado humano de dois dos ícones máximos da literatura japonesa: as afinidades que se revelam apesar de tantas diferenças, o genuíno fascínio que nutriam um pelo outro, o brilhantismo que emergia de suas penas nos assuntos mais corriqueiros, o projeto comum de pensar e criar a beleza, o refúgio na arte e na amizade como forma de navegar a tristeza intrínseca à condição humana.
Lembramos que toda compra nos reforça. Nesses tempos difíceis para o comércio do livro agradecemos o apoio a nosso catálogo e à bibliodiversidade. 
                                     
Tradutor: Fernando Garcia 
Introdução: Shoichi Saeki
Posfácio: Donatella Natili, anexos
Formato: 14x21cm
Páginas: 256
ISBN: 978-85-7448-299-6

SOBRE OS AUTORES 

Yasunari Kawabata, Prêmio Nobel de 1968, o autor é considerado um dos representantes máximos da literatura japonesa do século XX. Nascido em Osaka em 1899, interessou-se por livros ainda adolescente, principalmente por clássicos do Japão, que viriam a ser uma de suas grandes inspirações. Kawabata estudou literatura na Universidade Imperial de Tóquio e foi um dos fundadores da Bungei Jidai, revista literária influenciada pelo movimento modernista ocidental, em particular o surrealismo francês. 
[Leia mais] 



Yukio Mishima, nascido Kimitake Hiraoka em Tóquio, em 1925, foi uma das mais populares personalidades das artes no Japão do século XX. Mishima foi romancista, poeta, crítico, ensaísta, dramaturgo e ator. Sua estreia na literatura se deu com apenas 19 anos, pouco antes de se graduar em direito na Universidade Imperial de Tóquio. Sua amizade com Yasunari Kawabata ajudou-o a ganhar espaço no meio literário. 
[Leia mais]    
  
   
                                        

Livreiros e distribuidores:
Para orçamentos e pedidos, nos encaminhe um e-mail: vendas@estacaoliberdade.com.br