Por que o patrimônio histórico, arquitetônico e urbano conquistou um público universal? Por que seu conhecimento, sua conservação e restauração se transformaram numa questão crucial para todos os países? Esta investigação, que abrange cinco séculos, defende uma mudança urgente para uma orientação que possa reverter a indiscriminada e acelerada especulação com os bens culturais e mostra como nossa herança arquitetônica e urbana revela-se alegoricamente como um espelho cuja contemplação narcisista aplaca nossas angústias.

 LEIA UM TRECHO