Auguste Comte (1798-1857), filósofo inovador e fundador de igreja, está atualmente um pouco esquecido, ainda que no Brasil sua doutrina, o positivismo, tenha chegado a difundir-se como razão de Estado. Sua obra, testemunho de uma ambição sociopolítica bastante moderna, merece, no entanto, ser redescoberta. Inscrevendo-se no movimento deslanchado pela revolução industrial e pela generalização dos conceitos científicos, Comte queria, de fato, acelerar a unificação da sociedade em escala planetária, descobrindo o “sistema” do saber e do poder dessa nova configuração histórica. Comte criou a “sociologia” com a finalidade de teorizar e realizar um tipo de organização social que não seria nem individualista nem opressiva. Em seguida, edificou uma “religião positiva”, um tipo de socioantropologia, articulando os componentes da atividade humana (masculino/feminino, espírito/razão, etc.) num dispositivo de simulações recíprocas, com a finalidade de orientar saber, desejo e trabalho rumo à “deusa Humanidade”... Nesse livro, Laurent Fédi busca restituir a profunda originalidade do positivismo de Comte, sem mascarar alguns de seus aspectos inquietantes, a fim de incitar à leitura de um autor cuja influência sempre se fez sentir nos domínios científico, religioso e “ideológico”.


Livro
Formato 21x14x1cm
ISBN 978-85-744-8135-7
Páginas 192
Sobre o autor (a) Laurent Fédi cursou a École Nationale Supérieure (ENS) e é doutor em filosofia. Publicou Le Problème de laconnaissancedans Laphilosophie de Charles Renouvier, tese que defendeu na Sorbonne em 1997. É co-organizador de Les Philosophies françaisesetlascience: dialogue avec Kant. Desenvolve pesquisa sobre as filosofias francesas do século XIX (Neokantismo, Positivismo, Republicanismo). Detém uma cadeira de Filosofia da Laicidade no Institut Universitaire de Formatioin de Maîtres (IUFM) da Alsácia desde 2004.
Tradutor Mauro Pinheiro

Escreva um comentário

Nota: O HTML não é traduzido!
Ruim           Bom