A utopia da cidade grande, pintada no imaginário coletivo como o eldorado redentor de oportunidades para uma vida melhor, sempre alimentou esperanças, não importando o lugar ou a época. Essa temática que, em suma, é a luta pela sobrevivência, ganha um registro impactante em O garoto do riquixá, romance de Lao She publicado originalmente em 1937, que agora dá início a traduções do chinês pela Estação Liberdade.

Ambientada na Beijing dos anos 1920 e 1930, tempos de grande efervescência social e política na China, a trama acompanha a catártica cruzada de Xiangzi, o personagem-título. Vindo do campo, ele se instala na metrópole determinado a se tornar um condutor de riquixá. A ideia que o anima é simples: economizar seus yuans para conseguir comprar o próprio veículo e, assim, se tornar um trabalhador autônomo.
No entanto, sua missão não será nada fácil. Ora traído por sua inocência, ora ludibriado por patrões mal-intencionados ou figuras interesseiras que cruzam seu caminho, Xiangzi parece fadado a um destino de danações. O rapagão bem-disposto e sonhador que veio à cidade com pouco mais do que a cara, a coragem e a roupa do corpo tem de lidar com o choque de uma realidade hostil, onde a noção de sobrevivência pode significar atropelar o próximo, se necessário for.
Com esta tragédia social, colocando o povo como principal tema e se apropriando do dialeto das ruas de Beijing, Lao She marcou seu nome no modernismo literário na China. O personagem de Xiangzi, apropriadamente apelidado de “Camelo”, é a personificação da eterna luta entre os opulentos e os miseráveis, o ser humano bestializado por seus pares. Com humanismo e dura honestidade, o autor criou um documento histórico de uma China ainda bem destoante da potência econômica que desconcertaria o mundo nas décadas seguintes.

Livro
Autor Lao She
Páginas 336
Tradutor Márcia Schmaltz

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.